marca do Jornal A TARDE

 
 

IoT – Internet das coisas


Este artigo foi escrito por Humberto Gonzaga, analista de telecomunicações.


Internet das coisas (em inglês: Internet of Things, IoT) é um conceito que se refere à interconexão digital de objetos cotidianos com a internet, conexão dos objetos mais do que das pessoas.

Por outras palavras, a internet das coisas nada mais é que uma rede de objetos físicos (veículos, prédios e outros dotados de tecnologia embarcada, sensores e conexão com a rede) capaz de reunir e de transmitir dados. É uma extensão da internet atual que possibilita que objetos do dia-a-dia, quaisquer que sejam mas que tenham capacidade computacional e de comunicação, se conectem à Internet. A conexão com a rede mundial de computadores possibilita, em primeiro lugar, controlar remotamente os objetos e, em segundo lugar, que os próprios objetos sejam usados como provedores de serviços. Essas novas capacidades dos objetos comuns abrem caminho a inúmeras possibilidades, tanto no âmbito acadêmico quanto no industrial. Todavia, tais possibilidades acarretam riscos e implicam grandes desafios técnicos e sociais.

Se os objetos do cotidiano tivessem incorporadas etiquetas RFID (“etiquetas inteligentes”), poderiam ser identificados e controlados por outros equipamentos e não por seres humanos. Se, por exemplo, certos objetos entre outras coisas como livros, termostatos, refrigeradores, lâmpadas, remédios, autopeças, fossem equipados com dispositivos de identificação e conectados à Internet, não haveria a possibilidade de faltarem produtos como alguns remédios, pois saberíamos exatamente onde os encontrar e quantos estariam disponíveis. A ocasional falta deles passaria a ser coisa do passado. Saberíamos também, a qualquer momento, qual é a lâmpada que acende e qual é a que está fundida.

O conceito ‘Internet das coisas’ foi proposto em 1999, por Kevin Ashton, no Laboratório de Auto-ID do MIT , onde se realizavam pesquisas no campo da identificação por radiofrequência em rede (RFID) e tecnologias de sensores. Atualmente, a expressão ‘Internet das coisas’ designa a conexão avançada de dispositivos, de sistemas e de serviços. Ultrapassa o conceito tradicional M2M do máquina a máquina e abarca uma ampla variedade de protocolos, domínios e aplicações.

A ‘Internet das coisas’ deverá codificar, segundo se presume, cerca de 50 a 100 bilhões de objetos e seguir o seu movimento. Estima-se que cada ser humano esteja rodeado por 1 000 a 5 000 objetos, em média. Segundo a empresa de consultoria Gartner, em 2020, haverá, no mundo, aproximadamente 26 bilhões de dispositivos com um sistema de conexão à internet das coisas. Já a consultoria Abi Research prevê que, no mesmo ano, existirão 30 bilhões de dispositivos sem fio conectados à Internet. Com a próxima geração de aplicações da internet (protocolo IPv6), prevê-se que seja possível identificar instantaneamente, por meio de um código, todo e qualquer tipo de objeto – algo que não se pode fazer com IPv4.

A empresa estado unidense Cisco, que está na origem da iniciativa da internet das coisas, criou um “contador de conexões” dinâmico que permite estimar o número de “coisas” conectadas, desde julho de 2013 até 2020. A conexão de dispositivos à rede através de sinais de rádio de baixa potência é o campo de estudo mais ativo na internet das coisas. A principal razão disso é que os sinais desse tipo não precisam de Wi-Fi nem Bluetooth. Entretanto, diferentes alternativas, as chamadas Chirp Networks, que requerem menos energia e são mais baratas, também têm sido investigadas.

Neste artigo, mostrou como a evolução dos dispositivos computacionais, até o entendimento da existência de um ecossistema da Internet das Coisas (IoT), transformou o modo como seres humanos interagem com tecnologias. Em conclusão, um benefício fundamental da IoT está na capacidade de aproveitar uma coleta imensa de dados e transformá-los em ações para indústria e consumidores, de maneiras anteriormente não vistas. Parte-se aqui da noção de que, para além de definir o que é a Internet das Coisas simplesmente descrevendo todas as características do ecossistema, faz-se fundamental refletir quanto ao propósito da IoT. Nessa perspectiva, os dados são uma parte crucial, embora sozinhos não sejam suficientes. O aspecto da interconectividade e da integração de dispositivos, somado a essa coleta de dados, são o que apontam para uma realidade em que dispositivos, pessoas, processos e informações estão mais interligados do que nunca.

 

Referências Bibliográficas:

Wikipédia – Revistas Udesc – LUCERO, S. IoT Platforms: Enabling the Internet of Things. In: HIS Technology, 2016. (https://cdn.ihs.com/www/pdf/enabling-IOT.pdf)

Victor Mansur

Outras postagens de

Menu