marca do Jornal A TARDE

 
  • Início
  • Artigo
  • O ser humano e a evolução dos vírus de computador

O ser humano e a evolução dos vírus de computador


 

virus-2-1500x748

Vírus é um software malicioso que é criado para mudar o comportamento de outros softwares, geralmente com a finalidades distintas, dependendo da época que foi criado, ou do seu criador.

O primeiro vírus de computador foi criado por Bob Thomas, em 1971, com o único objetivo de irritar a vida de quem operava o PDP-10, mainframe da época. Tratava-se do The Creeper. O vírus invadia o sistema e apenas apresentava a mensagem: “Im the creeper, catch me if you can!”. Que em português quer dizer: “Eu sou assustador, pegue-me se for capaz! ” .

Em 1986, houve o primeiro caso de vírus para computadores pessoais. O Brain. O objetivo novamente era irritar os usuários. Ele danificava o setor de inicialização do disco rígido, o famoso “Vírus de Boot”. Há quem diga que o primeiro vírus para computadores pessoais apareceu em 1982, com o Elk Cloner.  Ele atuava infectando computadores Apple 2 que utilizavam DOS, mostrando um poema a cada 50 vezes que o computador era reiniciado. Apesar de ter sido o primeiro para computadores de distribuição de larga escala, o Elk Cloner acabou sendo muito menos conhecido do que o Brain.

O objetivo deste artigo não é descrever a evolução ano-a-ano e falar de todos os vírus da história dos computadores. O objetivo é alertar da grande diferença do perfil dos vírus de antes para os de hoje, atualmente chamados de códigos maliciosos. O vírus de antigamente tinham uma única função de irritar e atrapalhar a vida do usuário, parando seus sistemas, apagando seus dados. Os códigos maliciosos de hoje não são mais apenas simples softwares, eles têm o objetivo de roubar informações, dinheiro, etc.

vírus2

Hoje em dia os ataques são silenciosos. Eles não querem te irritar ou atrapalhar sua vida, eles querem atuar sem que você perceba. Quando mais tempo eles conseguem trabalhar sem que você note, mais utilizam seu computador como recurso para roubar informações, ou como ponte para isso, atacando outros locais.

Os ataques são coordenados e organizados. Eles não utilizam apenas tecnologia para chegarem aos objetivos, utilizam também engenharia social, que hoje em dia, é um dos fatores cruciais para uma ação maliciosa desde tipo venha a ter êxito.

Em 1971, o The Reaper foi o antivírus utilizado para conseguir apagar o The Creeper do sistema. Um antivírus de código simples, para reverter a situação criada pelo vírus. Sinalizado como precursor dos antivírus.

Hoje em dia, apenas um antivírus não é capaz de conter ações maliciosas. As soluções contra códigos maliciosos estão mais evoluídas, contemplando além das vacinas, funcionalidades que analisam comportamentos. Porém, apenas a tecnologia não é capaz de deter a evolução deste cenário. As pessoas, que são as peças mais frágeis neste quebra-cabeça, precisam estar atentas e criar procedimentos de uso do computador que não facilitem a entrada de códigos maliciosos. Quer dizer, não adianta ter a melhor tecnologia contra código malicioso do mundo, se o ser humano não está capacitado ou se não faz uso dos procedimentos corretos para utilizar a tecnologia.

Victor Mansur

Outras postagens de

Menu