marca do Jornal A TARDE

 
  • Início
  • Artigo
  • Sistema integrado ou plataforma de segurança unificada?
http://maisti.atarde.com.br/wp-content/uploads/2018/07/01-1-960x600_c.jpg

Sistema integrado ou plataforma de segurança unificada?


Escrito por: Thiago Vasconcelos

Consultor de Soluções. Atua com tecnologia desde 1997, é Bacharel em Sistemas de Informação com experiência em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) desde 2004 e Segurança desde 2011, com foco em Plataforma de Segurança Unificada.


Qual a diferença de um sistema de segurança integrado e uma plataforma de segurança unificada?

Integração é um termo comum utilizado na área de TIC (tecnologia da informação e comunicação) e representa a junção de dois produtos, pode ser um hardware com outro hardware, de um software com outro software, ou ainda de um software com um hardware, necessitando de horas de desenvolvimento de software (HH) por meio de API (application programming interface) e SDK (software deployment kit). A API e SDK, em alguns casos são liberados sem custo pelo fabricante do produto, porém em outros casos são pagos, bem como licenças adicionais de integração por dispositivo.

Além de demandar horas de trabalho, a integração depende da colaboração mútua entre as empresas responsáveis pelos produtos integrados, cliente envolvido e está associada a versão de cada produto para qual foi desenvolvida. Ou seja, se houver uma atualização dos produtos, provavelmente a integração deverá ser revisada, demandando mais horas de trabalho (HH) e investimento.

Na área de Segurança, existe um tipo de software denominado PSIM (Physical security information management), representa um tipo de produto que integra outros softwares e/ou hardwares através de desenvolvimento de software customizado.

PSIM é capaz de integrar diversas disciplinas, como: videomonitoramento, controle de acesso, incêndio, analíticos, intrusão, entre outras, porém atua como um front-end, necessitando da utilização dos outros softwares ou hardwares auxiliares através de integrações customizadas, fazendo com que o usuário opere diversas interfaces na maioria dos casos. Na área de Segurança, os PSIMs não são muito utilizados, principalmente no brasil, devido à alta complexidade de implementação, bem como alto nível de investimento necessário, dando espaço para outros softwares como um sistema de segurança integradoou plataforma de segurança unificada.

Mesmo utilizando um software do tipo PSIM, haverá dependência de novas integrações customizadas e provável necessidade de novas implementações nos casos de mudanças de versão. Dessa forma, o PSIM em desvantagem com relação a plataforma de segurança unificada, pois esta já possui módulos e plug-ins nativos, bem como módulos opcionais de inteligência situacional e suporte à operação, possibilitando dashboards em tempo real e suporte na tomada de decisão para os gestores de segurança. Todos estes recursos podem ser gerenciados e adquiridos por demanda através de licenciamento de software, bem como na modalidade de assinatura, cloud computing ou as a service (aaS).

Plataforma de Segurança Unificada

“Então, o que significa a unificação? Na área de TIC (tecnologia da informação e comunicação), o termo unificação é oriundo do conceito comunicações unificadas (unified communications) e começou a ser utilizado comercialmente por players da área de redes e voz, ofertando soluções únicas contemplando os dois escopos em uma mesma rede corporativa.”

Em seguida, surgiram os novos conceitos na área de redes, como: infraestrutura de redes convergentes (network convergence)infraestrutura de redes hiperconvergentes (HCI) e redes da próxima geração (next generation networking – NGN). A evolução prosseguiu e surgiram novas definições de rede posteriormente, como: virtualização de funções de redes (network functions virtualization – NFV) e rede definida por software (Software-Defined Network – SDN).

Figura 1. Comunicação unificada (unified communications)

Após a contextualização da origem do conceito de unificação e as respectivas evoluções, na área de segurançaunificação significa proporcionar ao usuário final uma experiência diferenciada através de uma plataforma única com diversos módulos e plugins nativos, onde essa respectiva plataforma poderá contemplar diversos escopos sem a necessidade de desenvolvimento de software customizado. Esta plataforma única é representada por uma plataforma de segurança unificada.

Conforme citado, em uma plataforma de segurança unificada, independente do fabricante do software, várias disciplinas podem ser contempladas nativamente através de licenciamento de software, como: videomonitoramento, intrusão, detecção de alarme de incêndio, controle de acesso de pessoas e veículos, portaria remota, reconhecimento automático de placas (ANPR ou LPR), contagem de pessoas, reconhecimento facial, automação, sonorização, analíticos, inteligência artificial, entre outras. As possibilidades são quase que infinitas, dispensando horas de trabalho (HH) com desenvolvimento de software customizado, retrabalho em caso de atualizações de hardware ou software por integração, otimizando o investimento em um projeto.

É importante ressaltar que uma plataforma de segurança unificada possui ampla lista de fabricantes e modelos de dispositivos e equipamentos homologados nativamente com o software através de licenciamento, com garantia de suporte técnico de um único fabricante do software, eliminando a necessidade da interação com vários fabricantes, tornando a implantação e manutenção mais simples. Este fato também acelera a implementação da plataforma.

plataforma de segurança unificada também permite desenvolvimento de software customizado, necessários em casos específicos, porém ainda assim, viabilizados através de licenciamento de software (SDK). Uma das vantagens de não utilizar com muita frequência o desenvolvimento de software customizado é proteger o cliente final, evitando que o mesmo permaneça dependente de um integrador em específico, principalmente em casos de empresas públicas que dependem de processos licitatórios para contratação.

Sendo assim, a unificação traz maior liberdade, flexibilidade, novas possibilidades e soluções personalizadas com uma plataforma escalável que pode se adequar a cada oportunidade de negócio e a cada contexto, através de licenciamento de software. A contratação de um projeto considerando uma plataforma de segurança unificada traz diversos benefícios, como:

 Elaboração de um projeto único com vários escopos em um mesmo software.

  Gerenciamento centralizado de todos os equipamentos e dispositivos conectados em uma mesma rede ethernet.

  Gestão simplificada através de um único contrato.

  Gerenciamento dos recursos através de plugins ou módulos através de licenciamento de software, gerando economia de investimento, eliminando necessidade de desenvolvimento de software e integrações extras.

 Operação da plataforma de segurança unificada de forma centralizada a partir de uma única central de operações, permitindo acesso a todos os módulos nativos no software.

 Software flexível e escalável para trabalhar tanto em um único local como em múltiplos sites através do recurso de federação, viabilizando sites independentes com gerenciamento centralizado e remoto.

“Dessa forma, diante dos benefícios citados, haverá otimização do investimento, considerando um único projeto, processo de compra e gestão simplificados, gerenciamento, operação e manutenção centralizados.”

Figura 2. Plataforma de Segurança Unificada

Com a utilização de uma plataforma de segurança unificada, as possibilidades são inúmeras. Será necessário saber qual a necessidade do cliente, realizar o alinhamento de escopo, desenhar a solução, especificar, definir os melhores produtos e fabricantes de forma estratégica e elaborar a solução completa para ser ofertada para o cliente final.

Exemplo prático

Uma plataforma de segurança unificada que contemple vídeo monitoramento, detecção de alarme de incêndio com detectores endereçáveis, sonorização e controle de acesso, por exemplo, diversas possibilidades e benefícios podem ser contemplados, como:

• No momento da detecção de incêndio, pode haver a exibição da imagem ao vivo do local em questão na tela do operador da central de operações.

• Acionamento automático de mensagens de voz pré-gravadas nos alto-falantes solicitando a evacuação do ambiente.

• As portas, cancelas, catracas e bloqueios podem ser liberados automaticamente para facilitar o deslocamento de pedestres e veículos para um ambiente seguro.

• Todos os eventos podem ser reportados para uma mesma central de operações centralizada.

• Todos os eventos ficarão armazenados e pode ser realizada uma auditoria posterior para verificar as ocorrências, vídeos gravados e as ações do operador.

• Haverá gerenciamento centralizado de todos os equipamentos e dispositivos em uma mesma rede ethernet.

• Facilidade e otimização na manutenção, pois os equipamentos e dispositivos e software terão gerenciamento local e remoto centralizando, viabilizando atualização de firmwares e configurações de forma automatizada.

• Utilizando uma plataforma de segurança unificada de um mesmo fabricante de software, o suporte técnico será centralizado e haverá facilidade na aplicação de atualizações e patches de segurança.

Figura 3. Operação centralizada

Conforme cenário exemplificado, será disponibilizado interface única para o operador, facilitando a operação do sistema, análise das ocorrências em tempo real, bem como permitir uma melhor tomada de decisão para os profissionais de segurança, operações e seus respectivos gestores.

Uma plataforma de segurança unificada também permite que o software seja executado em uma infraestrutura de cloud computing, otimização a gestão e gerenciamento via internet, bem como o armazenamento de todos os dados, tornando a plataforma ainda mais expansível.

Conclusão

Dessa forma, citado alguns benefícios de um projeto contemplando uma plataforma de segurança unificada. Uma contratação planejada de um projeto único, considerando diversos escopos pode gerar uma economia de 30 a 50% em média em comparação a contratação separada por escopo. Na comparação desses dois cenários, esta economia se justifica pela otimização de tempo investido, bem como na gestão, fiscalização de contrato e aquisição de produtos e softwares que geralmente possuem custo mais baixo quando contratados em um maior volume.

Com a contratação única, há também a possibilidade de um contrato na modalidade as a service (aaS), onde estarão previstas as respectivas atualizações de hardware e software, bem como serviços de manutenção durante vigência do contrato, protegendo o cliente e eliminando necessidade de contratação de novos serviços por demanda separadamente. Estes fatores também otimizam o tempo e consequentemente o investimento, usufruindo dos benefícios do OPEX (operational expenditure) em comparação ao investimento apenas em produtos, sem considerar os serviços, benefícios e redução do investimento a médio e longo prazo (capital expenditure – CAPEX).

Victor Mansur

Outras postagens de

Menu