marca do Jornal A TARDE

 
  • Início
  • Entrevista
  • Entrevista com Hernán Armbruster – VP na Trend Micro para Canadá, America Latina e Caribe

Entrevista com Hernán Armbruster – VP na Trend Micro para Canadá, America Latina e Caribe


Hernan

A Trend Micro foi fundada em 1988 por Steve Chang e está no Brasil desde 1996. Por todo este tempo se destacou no mercado de Segurança da Informação mundial pela vanguarda na detecção de códigos maliciosos, pela qualidade dos produtos e por sua solidez. Hernán Armbruster, VP na Trend Micro para Canadá, America Latina e Caribe fala sobre o posicionamento estratégico da Trend, evolução dos ataques maliciosos, valorização de funcionários, entre outros assuntos.

 

Victor Mansur – Qual é a estratégia atual da Trend Micro em se tratando de produtos? Existem algum foco específico?

Hernán Armbruster – Nosso aprendizado com clientes corporativos diz que os três maiores desafios em termos de segurança da informação hoje e nos próximos anos seriam: a segurança do usuário no novo cenário da consumerização, a segurança do datacenter moderno revolucionado com realidades como virtualização e nuvem e por último a proteção contra os novos ataques avançados (APTs, Ransomware, etc.).

Por tanto, nós da Trend Micro, temos três estratégias de soluções. Uma para cada um dos principais desafios anteriormente apresentados.

A) User Protection, para proteger esse novo usuário que usa múltiplos dispositivos em diferentes plataformas, suas aplicações, e dados na nuvem.

B) Hybrid Cloud Security, para proteger servidores de dados e aplicações no datacenter físico, virtual e também nuvens.

C) Network Defense, com soluções de prevenção de brechas de segurança que estão ajudando os clientes a identificar os desafios de segurança contra as novas ameaças como APTs, Ransomware, Spear Phishing, movimentação lateral, etc.

Victor Mansur – Como a Trend está se posicionando com a constante evolução das ameaças digitais? Como a Trend lida com códigos maliciosos que quebram paradigmas como DownAD, Conficker e Ramsonware?

Hernán Armbruster – É comum no Brasil encontrar DownAD/Conficker que explora uma vulnerabilidade muito antiga, do ano 2008. Mas de novo, o nosso aprendizado diz que aqui o desafio não é de detecção mas sim de processo ou de visibilidade. Com processo, quero dizer que na grande maioria dos casos onde encontramos esta ameaça descobrimos que a falha foi no processo de aprovisionamento, atualização ou manutenção de sistemas. Outro motivo comum é a falta visibilidade, ou seja, encontramos a ameaça em sistemas que estão fora do alcance da gestão da segurança de TI, como computadores de provedores, redes de automação, equipamento de propósito específicos, etc.. Já no caso de Ransomware é bem diferente. O motivo está mais relacionado com a falta de detecção porque os componentes que formam parte do ataque do Ransomware em muitos casos não estão sendo detectados pelos controles de segurança tradicionais de antivírus, firewall e IPS.

A Trend Micro desenvolveu uma estratégia de proteção contra Ransomware que inclui vários controles de segurança em múltiplas camadas: dispositivo do usuário, redes de computadores, datacenter e nuvem.  Dentro dos controles de segurança podemos falar de controle de aplicações, detecção por comportamento, proteção contra vulnerabilidades, simulação de sandbox, prevenção de phishing, monitoramento de integridade de arquivos, análise de reputação, etc. Esta estratégia tem sido destacada recentemente na análise do quadrante magico do Gartner Group que posicionou a Trend Micro como a empresa mais visionaria na segurança de Endpoints.

Victor Mansur – A Trend Micro sofreu com a crise local? Se sim, de que forma esta crise impactou os negócios localmente?

Hernán Armbruster – Trend Micro do Brasil ficou dentre as 5 filiais mundiais com maior crescimento no mundo no ano 2015 e estaremos fechando um sólido primeiro semestre. Minha leitura é que o mundo digital hoje é parte fundamental da maioria das organizações, portanto cibersegurança é um investimento tão crítico para os negócios que é muito menos afetado que outros investimentos.

Victor Mansur – Muitos consumidores do mercado doméstico questionam que não percebem muito investimento da Trend neste nicho, comparando com outros players. Como você enxerga isso?

Hernán Armbruster – A computação doméstica está em plena revolução no mundo, por tanto a segurança dela também. Os usuários não só interagem com Internet desde um computador tradicional. Hoje, praticamente os hogares são pequenos datacenters onde usuários se conectam na Internet desde diferentes dispositivos, usando diferentes aplicações, mas não são só usuários que se conectam, também são coisas (IoT). A Trend Micro entendeu esta tendência e hoje está desenvolvendo a próxima geração de soluções para proteção de redes de usuários que inclusive já apresentamos em feiras especializadas no mundo.

trendmicro

Victor Mansur – A Trend Micro é conhecida por possuir uma cultura de valorização dos funcionários. Como isso impacta nos negócios?

Hernán Armbruster – Impacta e muito. O cliente que está comprando segurança procura um especialista local que possa proteger seus ativos digitais mais importantes contra as ameaças de hoje, mas ainda mais importante, contra as ameaças do futuro, as que serão desenvolvidas. Nós não entendemos nosso trabalho como um negócio, entendemos nosso trabalho como uma constante luta para que tenhamos um mundo mais seguro para a troca de informação digital. Esta é uma oportunidade grande, mas uma responsabilidade enorme com a sociedade. Por tanto, procuramos manter uma equipe que se identifique e apaixone com esta missão que perseguimos faz 27 anos no mundo e 20 anos no Brasil.

Victor Mansur – Qual posicionamento estratégico da Trend para os próximos anos?

Hernán Armbruster – Entendemos que cibersegurança é e será tão complexa que necessitará de verdadeiros especialistas, organizações focadas exclusivamente no desafio. Entendemos que na era da nuvem, as estratégias de segurança devem ser redesenhadas considerando realidades como virtualização, consumerização, nuvem publica, IoT, etc. Também entendemos que não existe uma “bala de prata”, um único componente de segurança que resolverá os desafios. Por estes motivos nós nos encaminhamos a ser a maior empresa independente de cibersegurança do planeta focada exclusivamente neste desafio, com soluções para todo tipo de cliente, tanto nas camadas do usuário, no datacenter físico como na nuvem e na camada de rede.

Victor Mansur

Outras postagens de

Menu