marca do Jornal A TARDE

 
  • Início
  • Notícias
  • Área de TI lidera pelo terceiro ano os números de negociações realizados no país, diz estudo da PwC Brasil
http://maisti.atarde.com.br/wp-content/uploads/2016/12/gestao-TI-09-TI-custo-investimento-960x600_c.jpg

Área de TI lidera pelo terceiro ano os números de negociações realizados no país, diz estudo da PwC Brasil


investir-em-tecnologia

Relatório mostra ainda que todas as áreas enfrentaram uma redução de fusões e aquisições

Em estudo que avaliou o número de fusões e aquisições no Brasil no período de outubro de 2015 a 2016, foi-se constatado que o setor de TI é o que mais tem recebido interesse dos investidores, com uma fatia de 19%. Já em relação às regiões do país, o Sudeste continua tendo a preferência de investidores com 63% de interesse de investimento em 2016, seguido da região Sul com 17% e do Nordeste com 10%. Há também uma redução de transações de 21% em comparação com o mesmo período do ano de 2015.

Desde janeiro de 2014, o setor de TI tem se consolidado como área de maior interesse, com 19% do total transacionado. No acumulado deste ano, foram realizadas 91 transações, contra 108 em 2015, o que significa uma redução de 16% no período. O estudo cita como exemplo a aquisição da Xsol Soluções Tecnológicas realizada pela Office Total, empresa portfólio da H.I.G. Capital.

As cinco áreas que mais tiveram fusões e aquisições em 2016, depois de TI, foram Serviços Auxiliares, que constitui 12% do total transacionado no período; Financeiro, representando 9% do total, seguido por Químico e Varejo. Todas as áreas enfrentaram uma redução no número de negociações realizadas. No geral, no período acumulado até o mês de outubro foram anunciadas 490 negociações, volume 21% inferior ao mesmo período do ano de 2015 (com 618 transações). Se analisado somente o mês de outubro foram anunciadas 50 transações, volume 6% inferior quando comparado ao mesmo mês do ano anterior (2015 – 53 transações).

Outro dado interessante da pesquisa mostra que os investimentos de origem nacional consolidam sua posição à frente dos investimentos de origem estrangeira com um total de 245 negociações (redução de 11% quando comparado ao mesmo período de 2015 – 275 transações). Isso significa que, até o mês de outubro de 2016, os investidores nacionais tiveram 55% de participação nas transações anunciadas.

Em relação aos investimentos estrangeiros, Estados Unidos, França e Reino Unido foram responsáveis por 49% do total no período acumulado em 2016. Com 204 transações realizadas até outubro, os investidores estrangeiros tiveram uma redução nas participações de 28% em relação ao mesmo período de 2015 (285 negociações).

O único dado que demonstrou crescimento foi o do número de aquisições de participação majoritária, que teve no período acumulado até outubro de 2016 um volume 4% superior ao mesmo período de 2015, com o anúncio de 281 aquisições.

 

Fonte: Assessoria PwC

Victor Mansur

Outras postagens de

Menu